Sobre a proibição de missas e cultos - Pe. Alexandre Nascimento

POSTADO EM 07 de Abril de 2021

Image title


Imaginemos que hoje deixasse de ser essencial a comunicação social e o livre exercício de imprensa com a edição de um decreto de alguma autoridade do Executivo. Tenha certeza que o Superior Tribunal Federal teria sido acionado para derrubar o decreto, pois viola o direito constitucional da liberdade de expressão, dentre outros. Isto ninguém discute. A imprensa é muito importante na sociedade. Ainda mais hoje sendo o dia dos jornalistas. Parabéns! Sabemos que a imprensa aglomera sim. Quer um exemplo, vá la no Palácio dos Bandeirantes e tenha a comprovação. Os protocolos são os mesmo que utilizo nas comunidades que administro.


Hoje há a proibição de realizar missas e cultos presenciais. A Igreja só está aberta para oração. Quem já veio em uma missa em tempo de pandemia sabe de todos os nossos protocolos. Quem não vêm na missa não fale do que não sabe. E isto é porque as pessoas são importantes para nós. Cada vida importa. Quem acompanha as familias enlutadas, quem reza funerais, quem leva a unção dos enfermos, quem ajuda os mais necessitados? Não é o ministro do Supremo. Eles tem números. E são altos. Uma atrocidade. Mas eu cuido de pessoas.


Interessante ouvir: pode rezar em casa; Deus está em todos lugares; assista pela tv. Quero pedir uma coisa: NOS RESPEITEM! Eu respeito a decisão das autoridades, por vivermos em uma democracia. E por isso respeitem a nossa fé! Missa pela internet não é o mesmo que a assembleia litúrgica reunida. Isto não muda por decreto de nenhuma autoridade civil. A EUCARISTIA NÃO É VIRTUAL. PAREM DE QUERER INTERFERIR NO QUE ACREDITAMOS. Eu tenho o direito sim de dizer que é inconstitucional nos privar de celebrar a missa com o povo.


Respeitamos as autoridades e a ciência, só queremos pedir: NOS RESPEITEM! Já não rezamos com o povo há quase um mês. E continuamos a acompanhar os contaminados, a ouvir seus lamentos e apelos, celebrar os sacramentos de forma individual.


Gostaríamos de ver o mesmo zelo que as autoridades tem em proibir as celebrações em comunidade, nos transportes públicos, que estão lotados. Isto é uma preocupação, pois pais e mães de famílias são OBRIGADOS a utilizarem deles para ganhar seu sustento. Em relação a autoridade eclesiástica, o que ela decreta não discutimos. Se o bispo decretar o fechamento, nós simplesmente fechamos. Nosso bispo está preocupado com nosso povo e com assistência religiosa que é FUNDAMENTAL. Estamos em comunhão com ele.


Falta hoje no mundo respeito e empatia. Respeito pela diversidade de pensamento e empatia com a dor alheia. A dor da morte, a dor do afastamento, a dor da falta de alento dos sacramentos. Mas lembro que nada disso é maior e não se compara com a glória de Deus.


É páscoa! Isto ninguém nos tira: a esperança da ressureição! Não deixe de rezar!


Deus abençoe!



Pe. Alexandre Oliveira Nascimento




*Os artigos publicados são de inteira responsabilidade de seus autores. As opiniões neles emitidas não exprimem, necessariamente, o ponto de vista da Diocese de Bragança Paulista.

© Copyright 2021. Desenvolvido por Cúria Online do Brasil