A Desilusão e como Vencê-la

POSTADO EM 05 de Setembro de 2017

Por. Monsenhor Giovanni Barrese

    Estamos na primeira metade do século V antes de Cristo. Mais ou menos quarenta anos da deportação dos judeus para a Babilônia, tempos antes da destruição de Jerusalém e do templo por Nabucodonosor. O que está acontecendo? O rei Joaquim, preocupado em manter o poder e os benesses conexos, vai tecendo alianças espúrias com outros reinos. Estes têm seus ídolos. Seus usos e costumes. Têm sua religião, seus gestos litúrgicos. A fé judaica não pode aceita-los.  Corrompem a fé em Javé. E sua liturgia tem ritos que ferem o verdadeiro encontro com o Deus da Santidade e da Justiça. O exercício do poder pelo rei está voltado para seus desejos. A sorte do povo não interessa.

    Neste quadro Jeremias sente o chamado a denunciar a situação. Procura esquivar-se: “Ah! Senhor Javé, eis que eu não sei falar, porque sou ainda uma criança! ”  (Jr 1,6). Deus lhe responde: “ A quem eu te enviar, irás e o que eu te ordenar, falarás. Não temas diante deles, porque eu estou contigo para te salvar! ” (Jr 1,7-8).

    Jeremias começa a sua missão de denúncia do afastamento do rei e do povo do caminho de Deus, confiado na promessa da proteção divina. As coisas começam a complicar-se: é ridicularizado, perseguido, desprezado, preso. Diante disso, usa expressão forte para falar de sua desilusão com a missão e com a promessa de proteção de Deus: “Tu me seduziste, Javé, e eu me deixei seduzir...tu me dominaste. Sirvo de escárnio...estou cansado de suportar...Maldito o dia em que nasci! ” (Jr 20,7-9. 14). Jeremias compara o chamado de Deus a sedução a que não se consegue resistir.  Depois de seduzido, sente-se abandonado!

     A realidade da sedução e do abandono não nos é, infelizmente, desconhecida. Nas relações humanas vemos isso amiúde. Nos relacionamentos com Deus também passamos pela tentação de atribuir-lhe abandono quando das dificuldades e dos sofrimentos. E pode-se averiguar o quanto tudo isso dói. O ardor do chamado divino, porém, faz Jeremias superar o seu modo de enxergar o que julgava abandono por parte de Deus.

    A experiência vivida pelo profeta pode ser atualizada para nós a partir do texto de Mateus (16,21-27). Jesus tinha perguntado aos seus discípulos sobre o que as pessoas diziam dele. Foi colocado na linha dos profetas. Perguntou aos mais próximos. Pedro deu a resposta perfeita: “Tu és o Messias, o filho do Deus vivo! ” Só que pensava no Messias rei. E Jesus começa a demolir essa concepção fazendo ver que seria preso e morto. Pedro não se conforma. Pensa que Jesus não tem clareza da situação: onde já se viu o Messias preso e morto? Jesus chama a Pedro de Satanás, adversário. Porque seu pensar o colocava na contramão do projeto divino da salvação. A entrega da Vida na cruz era o gesto mais profundo para a superação de toda a maldade e a possibilidade de superar os descaminhos que marcam a vida com injustiças e maldades.

    Jesus diz que para caminhar com ele era necessário tomar a cruz. A cruz aqui significa fazer o mesmo caminho dele. E alerta: “De fato, que aproveitará ao homem se ganhar o mundo inteiro, mas arruinar a sua vida?!” (16,26). As decepções ou desilusões diante da missão que temos como batizados só encontram a superação diante da certeza que o caminho de Jesus não nos livra das perseguições e falhas dos outros e nossas.

    As estruturas que criamos (levar vantagem, ser espertos, banalizar valores, o dinheiro acima de tudo, etc.) só serão vencidas com a certeza de que Deus não abandona apesar do seu aparente silêncio. A tentação da desilusão com os projetis divinos acontece porque temos dificuldade de entender o porquê   da não manifestação do Senhor diante de catástrofes, violência, roubalheira, mentira, etc.

    Ao enfrentarmos o custo da denúncia e da ação concreta necessária para quebrar o que fere a dignidade da vida, que é sempre cruz, a tentação é pensar que não vale a pena. Deus nos dá uma missão, marcada pela vida de seu Filho, mas não se importa se isso nos custa caro! O profeta Jeremias soube encontrar resposta na fidelidade de Deus, mesmo quando não tão aparente! É o caminho que devemos fazer também! Como o fez Jesus!

Image title


© Copyright 2017. Desenvolvido por Cúria Online do Brasil